Advertisement  
Saturday, 30 August 2014
 
inicio arrow Contos arrow Minha esposa virou uma Puta
   
 
inicio
Salas
Regras das salas
Fale conosco
Piadas
Contos
Afrodisiacos
Pensamentos
Poesias
orkut
Forum
Denuncie
Rendimentos
Sobre nos
Cadastre-se
Flash
 
   
header.gif
 
Minha esposa virou uma Puta PDF Print E-mail
Quando casei com a Ana, ela era bem comportada, mas com o passar dos anos, fomos falando de fantasias e desejos e chegamos a ter relacionamentos liberais, onde fizemos troca de casais e também a tres, tanto com mulheres e homens. Sempre moramos na cidade, mas temos um pequeno sitio, onde vamos as vezes para descançar. Lá temos um cão da raça doberman com mais de 3 anos. A dois anos atras, minha safada esposa, resolveu ter uma relação com nosso cão. Não gostei muito da ideia, mas como era uma vontade grande da Ana em fazer uma experiencia, acabei concordando e até ajudando ela nos preparativos. Só na terceira tentativa é que deu certo e o cão conceguiu trepar com minha safada mulher. neste dia pude ver ao vivo como era e Ana também, sentir e saber como era fazer sexo com animal. já que tínhamos visto em filmes de zoofilia. Eu fiquei excitadissimo em ver nosso cão metendo seu paozão na buceta da Ana e ouvir ela gemer com o cacete dele dentro dela. Depois da primeira vez, foram mais 4 ou 5 vezes que Ana fez sexo com o cão. No incio do ano passado,Ana veio com a conversa que gostaria de tentar fazer com um cavalo. Fiquei assutado na hora, mas ela disse que deveria ser esses menores, tipo ponei. Respondi que não sabia onde encontrar, já que em nosso sitio não tinhamos condição de criar um. A vontade da minha mulher era tanta, que resolvi ajuda-la na procura de algum lugar que tivesse a prática deste tipo de transa. Procuramos na internet, e um monte de indicações, até que descobrimos um lugar no interior de São Paulo onde era feito filmes e outros tipos com animais, sendo cachorro, cavalos, poneis, e até cabras. Fomos para lá ver como era. Era uma chácara com criação de varias espécies, mas a principar era de equinos. Explicamos nossa intenção e o encarregado da chácara, nos levou, mostrando o lugar e como funcionava. Ele explicou como funcionava e quais eram os cavalos e poneis que já haviam perticipado de alguma transa antes. mostrou o lugar onde era praticado e como funcionava. Quem queria privacidade, pagava uma taxa extra para ficar mais a vontade. Minha mulher estava toda euforica vendo aquilo e me disse que gostou de um cavalo menor que estava lá. Havia uma armação feita para a prática de sexo com poneis e cavalos, onde a pessoa ficava protegida sobre esta armação de madeira, mas com uma parte aberta, onde a pessoa, no cado mulher, ficasse acomodada e poder fazer o sexo com segurança. Achamos interessante a engenhoca. Como a Ana javia dito que gostou de um animal que estava lá, ela me pediu que ficassemos sozinhos no local. Por isso paguei um valor extra. Para estas ocasiões não dar errado com o animal escolhido, erra levado perto do local, alguma femea égua que estivesse no cio, assim o macho ficaria excitado com o cheiro da femea e fazia direito seu papel de cobertura. Era passado também a urina da femea no cio, na madeira de proteção, onde ficaria minha mulher, assim seria facil de controlar e acertar o lugar desejado. Como a Ana estava doida para começar logo a coisa, acertamos detalhes com o encarregado e apos ele trazer o cavalinho escolhido e ter sido dado um banho completo nele, o cara foi buscar também a femea que estava no cio, mas estava longe de onde estávamos. O encarregado já veio com um balde da urina da égua e ela junto e amarrou a femea ao lado de onde estavamos nós e o macho. Sei instindo de macho já sentiu o cheiro do cio e começou a botar pra fora seu cacete, ficando uns 30 cms aparecendo. O encarreegado saiu, deixando apenas eu e a Ana no local. Logo minha mulher tirou as roupas e entrou debaixo da armação e se acomodou, deixando sua bunda ao alcande do cacete do cavalo. Sua buceta ficava bem encostada no buraco de proteção e assim seria facil do animal acertar a entrada. Quando ela disse que estava pronta, peguei o balde com a urina e joguei sobre a parte de cima, onde para o cavalo, seria a parte traseira da femea. feito este processo, soltei o cavalo da corda e este já foi em direção da armação. Seu cacetão ficava balançando pra fora e assim que cheirou a madeira empregnada do cheiro, subiu sobre ela e ficou tentando achar a passagem onde acertaria a buceta da Ana. Parecia que ele já era experiente nisso e logo acertou o buraco, indo diretamente na buceta da Ana. Só ouvi o grito dela, quando entrou parte do cacete. Ana realmente soltou um grito bem alto na hora da entrada e nas seguidas metidas do animal. Ainda bem que a armação não permitia que o cavalo pudesse enfiar todo seu cacete, mas somente parte dele, pois do contrário, faria um estrago na vagina da minha mulher. O cavalo metia rapidamente e com força e eu só ouvia minha mulher gemer debaixo da armação. Como os animais não demoram muito pra gozar, logo o cavalo encheu a buceta da Ana de semen e desceu, saltando um monstro de cacete e com uma cabeça rombuda, ficando balançando e soltando um pouco de liquido. peguei o cavalo e o amarrei num poste e fui abrir a tampa para que a Ana pudesse sair. Quando ela saiu e ficou em pé, escorreu tanto semem dentro da sua buceta, que parecia que tinha um litro de leite lá dentro. Sua buceta mais parecia uma embalagem de iogurte e estava com os labis inchados. Ana disse que não gozaria nunca, mas que mesmo sentindo sua buceta toda laceada e esfolada, acabou gostando de sentir algo tão grande e grosso dentro dela. Ela não quis tentar repetir, já que sua vontade estava feita. Nos arrumamos e depois de tudo acertado, retornamos pra nossa cidade.
 
< Prev   Next >
 
Administradores





Lost Password?
Ultimas noticias
Noticias mais populares
O que voce achou do novo site?
 
 
Contos
Contos
 
cambrasil.net - Todos os direitos reservados